ForMóbile faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

PME: como conseguir linhas de crédito para marcenaria?

financiamento para marcenarias e PME
Saiba como é possível obter linhas de crédito para marcenaria para alavancar os seus negócios.

Considerando a indústria moveleira, diante dos desafios gerados pela pandemia do novo coronavírus, em 2020, as linhas de crédito para marcenaria se tornaram essenciais para manutenção e desenvolvimento dessa cadeia produtiva.

De acordo com Marcelo Godke, do escritório Godke Advogados e especialista em direito empresarial, “em 2019, publiquei um estudo, na Europa, que aponta que em 2016 o déficit de financiamento bancário era de 89%, no Brasil. Ou seja, de cada 100 unidades monetárias necessárias, as micro e pequenas empresas conseguiam captar aproximadamente 11%. Assim, percebe-se que, mesmo antes da pandemia, o contexto não era favorável.”

Conheça, a seguir, algumas dicas básicas para ter acesso às linhas de crédito para marcenaria e investir na saúde financeira do seu negócio!

Linhas de crédito para marcenaria de pequeno e médio porte

As linhas de crédito para marcenaria podem ser obtidas, basicamente, de duas formas:

  • Crédito Emergencial (PRONAMPE): trata-se do programa de crédito do governo federal, para micro, pequenas e até médias empresas. É necessário notar que o acesso a esse tipo de crédito é bem restrito.
  • Crédito bancário: trata-se de linhas de crédito oferecidas por bancos privados e pelo BNDES, sendo esse último o que apresenta mais crédito disponível.

Para que tenham acesso ao crédito que precisam, é fundamental que as marcenarias estejam atentas a esses pontos:

Identificar e calcular a real necessidade de crédito e financiamento

Antes de pleitear linhas de crédito para marcenaria, Jandaraci Araújo, ex-subsecretária de empreendedorismo do Estado de SP e especialista em Finanças e Políticas voltadas ao Empreendedorismo recomenda: “priorize o financiamento de máquinas, equipamentos e busque recursos próprios para capital de giro. O financiamento de investimentos fixos apresenta prazos e limites (do valor obtido) maiores, custos menores e garantias facilitadas.”

Documentação organizada e regularizada

Jandaraci esclarece: “tenha em mãos todas as certidões negativas da empresa, pagamento de impostos em dia, últimos balanços e demonstrações de fluxo de caixa, contrato social atualizado.” Tanto Jandaraci, quanto Godke alertam para o fato de que não só o CNPJ deve estar em boas condições financeiras (sem dívidas em atraso, por exemplo), como também o CPF dos sócios. O indicado é que o empresário se inscreva no Serasa Experian para verificar a nota de crédito que lhe é atribuída.

Plano de negócios que demonstre como o crédito financiado será investido e pago

“Seja organizado e objetivo: apresente uma análise de mercado, produto, operação e finanças que demonstre a viabilidade do projeto e a capacidade de pagamento do crédito a ser concedido”, recomenda Jandaraci.

Mapeamento de garantias a serem oferecidas às instituições financeiras

Apesar de haver alguns fundos garantidores (como o FAMPE – Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas), é comum que as instituições financeiras exijam garantias complementares. Portanto, é importante mapear os documentos dos bens que serão dados como garantia.

Análise de taxas e linhas de crédito, financiamento ofertadas por bancos e agências de fomento

De acordo com Jandaraci, “o empresário deve fazer uma análise comparativa de taxas de juros, carência e prazos. Monte uma tabela com esses dados e estude uma forma para que o pagamento do empréstimo não comprometa o fluxo de caixa! Compreenda os custos escondidos e tenha clareza de todos os custos envolvido na operação de crédito.”

Linhas de crédito para marcenaria: conheça as opções além dos créditos bancários!

São alternativas aos empréstimos bancários:

  • Empresas Simples de Crédito (ESC);
  • Sociedades de Crédito Direto (SCD);
  • Sociedades de Crédito ao Microempreendedor e à Empresa de Pequeno Porte (SCMEPP);
  • Financiamento coletivo (Crowdfunding) ou investidores anjos.

A utilização de máquinas de cartão de crédito e pagamento digital possibilitam a antecipação dos valores a serem recebidos, sendo uma das principais linhas de crédito para marcenaria.

A sociedade e o comércio estão mudando, por isso, é necessário que as marcenarias sejam resilientes e criativas para enfrentar os desafios postos. E o seu negócio, está pronto?

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar