• ForMóbile is part of the Informa Markets Division of Informa PLC

    This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Tendências

Madeira plástica: por que utilizá-la em um projeto?

A madeira plástica, também conhecida como madeira sustentável ou ecológica, é a mais nova aposta do mercado moveleiro, construída a partir de embalagens plásticas recicladas e outros resíduos industriais e urbanos. Devido ao alto uso de materiais plásticos na vida contemporânea, a madeira plástica surge como uma possibilidade mais sustentável de reúso daquilo que seria descartado na natureza.

O saldo é positivo para o meio ambiente, pois o plástico é um material não biodegradável que, quando reutilizado, contribui para reduzir o acúmulo de resíduos em aterros e lixões. Além do mais, quando utilizamos a madeira plástica em substituição à convencional, estamos poupando o corte insustentável de árvores, ajudando a natureza no seu processo regenerativo.

Além de ser um produto ambientalmente correto e economicamente viável, a madeira plástica também é reciclável e possui um apelo junto ao público final – e esse pode ser um grande diferencial competitivo para fábricas de móveis, uma vez que o brasileiro ocupa o terceiro lugar no ranking de população com maior consciência e preocupação com a sustentabilidade.

No entanto, existe uma resistência de certos marceneiros ao utilizar a madeira plástica, principalmente por haver a cultura de que a convencional é mais fácil de ser trabalhada. Dessa forma, a sua aplicação ainda é um desafio, e designers, arquitetos e empresários devem desenvolver pesquisas e melhores processos produtivos, tornando os produtos mais atrativos para o mercado.

Entenda, a seguir, o que é a madeira plástica, suas vantagens e aplicações. Acompanhe!

As vantagens da madeira plástica

Estima-se que, para cada 30 m² de madeira plástica produzida, uma árvore grande adulta é preservada e 180 mil sacolas plásticas são retiradas da natureza. Além dos benefícios para o meio ambiente, a madeira sustentável tem potencial de ser mais durável, resistente à corrosão e imune às pragas, como cupins, insetos e roedores.

Quando combinada com diferentes fibras naturais junto ao plástico, é possível desenvolver novas aplicações para a madeira plástica, com melhores características técnicas e resistência à intempérie, umidade e maresia.

Esteticamente comparando, os produtos possuem quase o mesmo acabamento da madeira convencional. Para o consumidor final, o material é de fácil limpeza, que deve ser feita com água e sabão, e é mais segura por não soltar farpas.

Apesar de ser, em média, 30% mais cara do que a madeira natural, o cliente será recompensado no médio e longo prazo com a maior durabilidade – e, de acordo com o estudo Estilo de vida sustentável no contexto brasileiro, ele está disposto a pagar por isso (80% aceitariam pagar um pouco mais para adquirir produtos ambientalmente corretos).

De acordo com Christian Ullman, especialista em design para a sustentabilidade, a madeira plástica é um produto mais homogêneo do que a convencional. “É um material construído sob demanda e podemos fazê-lo especificamente para cada necessidade pontual. Ele tem um custo de manutenção muito baixo se comparado à madeira natural”, afirma.

A madeira plástica pode ser utilizada pelas empresas como forma de diferenciar seus produtos no mercado moveleiro. Em um mundo cada vez mais preocupado com soluções ecológicas para o problema do lixo, os produtos têm a vantagem da alta durabilidade e a possibilidade de ser 100% reciclável.

Potencial para produção local

O especialista em design e sustentabilidade enfatiza que “outra vantagem da madeira plástica é que podemos produzir móveis a partir de matérias-primas disponíveis na região do marceneiro ou do cliente final, minimizando o impacto ambiental do transporte”.

Para Christian, é difícil afirmar que a madeira plástica é mais barata ou mais cara do que a convencional, pois depende de cada produto e também do que cada um entende por ser mais caro ou mais barato. Ele cita como exemplo a construção de um banco para jardim, em São Paulo. A opção convencional seria escolher uma espécie nativa, derrubar uma árvore no município de Ariquemes, em Rondônia, a mais de 2.800 km, distância percorrida em no mínimo 30 horas de um caminhão que despeja monóxido de carbono na atmosfera, para, finalmente, um marceneiro paulista construir o banco.

Com a madeira plástica, é possível produzir o material na bitola certa, em uma fábrica instalada em município vizinho à cidade de São Paulo, para que um marceneiro monte o banco. “Desse ponto de vista, o uso de madeira plástica tem um impacto ambiental reduzido e, por ser uma peça para ser utilizada em um ambiente externo, também apresentará menor custo de manutenção”, defende Christian.

Você já conhecia a madeira plástica? Quer ficar por dentro das novidades do setor? Então continue acompanhando nosso canal de conteúdo!

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *